ogra, porém estilosa. estilosa, porém ogra.

Daí que hoje era o dia de petshop do meu carro e eu o deixei no posto da esquina, para que ficasse bem limpo, leve e luxuoso. E de preferência sem os cocôs de passarinho que mais pareciam confete de carnaval na tintura do carro. Larguei o automóvel lá super feliz e contente e aceitei pagar os 27 reais cobrados para o chuveirinho de luxo.

Eis que, na hora em que fui buscar, o carro continuava com os resquícios ácidos dos passarinhos. Comecei a discussão bastante polida (diferente do carro):

– Moço, o carro ainda está sujo. Você pode pegar um paninho e passar aqui?
– Olha, moça, essa é a nossa lavagem. O carro está limpo.
– Me desculpe, mas o carro está sujo. Você está vendo essas coisas aqui? Cadê o paninho?
– Essa é a lavagem que a gente faz.
– Então é uma lavagem de merda. Traz por favor o paninho.

Ele trouxe o paninho. E me deu. E disse que eu tinha que passar. Aí nessa hora eu comecei a berrar falar mais alto e chorar, no auge da minha TPM, dizendo:

– Eu não vou passar pano porcaria nenhuma, isso é um absurdo!!! Eu tô pagando VINTE E SETE REAIS para isso!!! E, além do mais, eu fiz a unha agora e não vou encostar nesse pano!!!

Reparem que, nessa última frase, eu perdi totalmente o meu argumento de consumidora consciente de seus direitos e passei a ser apenas uma perua-chata-chiliquenta. Aí o moço me respondeu que ele não podia passar o pano (de novo) e, seguindo no meu papel perua-chata-chiliquenta, eu pedi que ele chamasse o gerente.

O gerente chegou e entendeu que foi um absurdo o moço pedir para eu passar o pano e resolveu ele mesmo passar o tal do paninho para amenizar a situação.

– Moço, passa aqui por favor.
– Isso aí é arranhado do seu carro.
– Não é, moço, é cocô de passarinho.
– Não, é arranhado do seu carro.
– Ah é?

Meti o dedo no treco. E não era arranhado do meu carro. Lá estava eu, chorando, chilicando, com as unhas recém-feitas e com cocô de passarinho no dedo. Pode, Arnaldo?

Pelo menos nessa hora eu adquiri uma pitadinha de moral. Afinal, não é qualquer mulher que enfia o dedo no cocô sem pudores. Mesmo que seja por uma pontinha de orgulho para defender a limpeza do seu carro.

One Comment

  1. e eu atesto que no seu caso, isso requer coragem extrema. 🙂
    beijos, minha linda.

Leave a Reply