um brinde ao erro

– Manicure, acho que essa unha ficou manchada.
– Ah, é culpa da sua unha ou do esmalte.

Oi? O esmalte estar feio é culpa da minha unha ou do esmalte? E ela, não tem nada a ver com isso?

O povo anda com muito medo de errar. É politicamente incorreto, é feio, é contra a perfeição que a ciência nos trouxe. Difícil aceitar que, seres humanos, erramos. E que isso pode ser extremamente benéfico.

Na agência, eu erro. Posso dizer que é um erro com margem de segurança, mas eu com certeza erro. Se alguém me disser que trabalha com inovação e não erra, sinto muito. É a mais pura mentira.

No hospital, como palhaça, eu erro. Nesse extremo, o erro é uma benção. A coisa mais certa a se fazer é errar. Porque os outros dão risada. Porque você toca no interior de quem finge que não erra. Porque você mostra que é tão humano quanto aquele ser que está na sua frente.

Na aula de francês, eu erro. Jamais poderia conseguir pronunciar tantos sons diferentes caso eu não testasse. É uma fonética diferente da que estamos acostumados. É necessário testar, errar, testar de novo e acertar.

Relaxem. Relaxem e errem. O mundo pode ser bem mais tranquilo quando aprendemos a errar.

3 Comments

  1. Piti

    Sensacional, queridona.

  2. Mawá, acho que você vai adorar esse livro: http://www.submarino.com.br/produto/1/21377316/tudo+o+que+voce+pensa,+pense+ao+contrario

    Se quiser emprestado me pede na firrrma.

  3. Sasá

    Eu tenho orgulho de ser sua amiga.

Leave a Reply