tua sorte

A tua sorte é que eu te amo. Mesmo quando eu ouço o que eu não quero – ou será que apenas penso a mais? – percebo que de nada adianta resistir. Chegam os tropeços, vão os detalhes, mas tem um perfume que não sai. Ficou preso dentro de algum lugar e envolve feito flor ao vento. Quantas vezes a gente consegue esquecer alguém, de verdade? São poucas. E nas muitas que não se esquece, resta decidir o que fazer com o cheiro que fica. É possível rejeita-lo passando qualquer limpa-dor. Em vão. Uma vez lá, ele não sai. Outro caminho é aproveita-lo. Daquela maneira linda e precoce de ser, daquele jeito de paixão infantil que faz qualquer chuva ser bonita e tranqüila. Qualquer céu ser inspirador. Qualquer amor ser simples. Parece um caminho mais acertado que o anterior.

Por isso, exatamente por isso, a tua sorte é que eu te amo.

3 Comments

  1. ana

    que lindo, ainda mais pra quem ainda sente um cheiro grudado no corpo, que não sai, não sai, nãooo sai :`(

  2. Ana Malachowski

    como sempre suas palavras… lindas…

    beijinhos

  3. Lindo.

Leave a Reply