não exigimos experiência (ainda)

É normal que qualquer sujeito fique nervoso antes de uma entrevista de emprego, afinal, provavelmente, o indivíduo está atrás daquela vaga. Esse nervoso pode triplicar no caso de estagiários, ainda mais se é a primeira vez deles. Por isso, resolvi juntar o que percebi nos últimos anos para ver se essa primeira vez dói menos – e garante o telefonema no dia seguinte.

Aqui quem fala é…
O contato inicial para uma entrevista pode ser por telefone ou por e-mail. Em primeiro lugar, explique o motivo de estar em contato com aquela pessoa. Algo simples, do tipo “Escrevo para me candidatar à vaga de estagiário publicada na Gazeta da Facu” já resolve o assunto. Quem recebe seu e-mail ou telefonema pode estar no meio de três ligações ou numa reunião de cinco horas e, assim, poderá logo identificá-lo e tratá-lo da melhor maneira. Outro detalhe importante é deixar seu telefone e e-mail numa posição de fácil leitura, como no corpo do e-mail. Não faça a pessoa ficar caçando seu currículo anexado e ter que abri-lo quando quiser entrar em contato contigo.

Portfolio
Se você é da área de propaganda ou de algo relacionado ao mundo artístico, sabe como é importante mostrar seu trabalho para impressionar o futuro chefe. Ao meu ver, a melhor opção é o portfolio online. Mostra o que tem que mostrar, em um clique se chega lá, não tem que baixar nada e, hoje em dia, lugar é o que não falta: Flickr, WordPress, Tumblr, escolha o seu e seja feliz. Se, por um desastre dos astros, não for possível hospedar suas obras em lugar nenhum, transforme-as em um pdf e envie anexado. Nesse momento, muito cuidado: entenda as diferenças entre as configurações de pdf – impressão ou tela. Ninguém merece fazer um download de 30 MB para ver 10 páginas A4. Ah, nunca, em hipótese alguma, envie peça por peça – anexadas uma a uma – no e-mail. Só de ver algo com mais de dois anexos já me dá preguiça. Se for levar portfolio impresso na entrevista, deixe-o bonitinho e cheirosinho.

Divã
Seu futuro chefe não precisa saber de todos os seus anseios, desejos, aflições e história de vida. Entrar em detalhes como “quando eu era criança minha professora escolheu minha poesia como a melhor da sala e, desde então, treino diariamente para ser o melhor redator do mundo” pode ser extremamente chato. Deixe isso para a entrevista, se lhe for perguntado.

Roupa ou figurino
Todo mundo sabe o que é a tal da primeira impressão. Quando eu ainda estava na faculdade, lembro de uma professora dizendo “eu demorei anos para conseguir trabalhar com a roupa que eu realmente queria”. Concordo totalmente. Mesmo trabalhando em uma área bastante informal, metida a tendências e vanguardas, não considero prudente aparecer de GNT Fashion na primeira entrevista. Também não acho que seja um fator decisivo mas, no menor sinal de dúvida na contratação, naquela conversinha entre os chefes, vai rolar um “ah, o emo não”. Por isso, pense bem em como você quer que as pessoas se lembrem de você.

With lasers
Olhar nos olhos da pessoa na entrevista indica uma certa segurança do candidato. Se para você for extremamente difícil fazer isso, tente fixar um ponto na testa da pessoa ou no meio dos olhos. Pode te ajudar a não parecer um avestruz com a cabeça enfiada na terra. Se a timidez for crônica, faça teatro tente intercalar os momentos de olhar para o lado com os momentos de olhar para baixo.

Sei que nada sei
A pessoa que está te entrevistando está, sem a menor dúvida, aplicando um teste. Não estou falando daquelas leituras específicas de saber a personalidade da pessoa pelo jeito como ela escreve num papel, mas de um teste mais amplo, que envolve conhecimento e personalidade. A palavra “não sei”, nessas horas, me parece um grande jeito de demonstrar fraqueza. Ninguém é obrigado a saber tudo, mas aproveite o gancho de uma pergunta cuja resposta você não tem a menor idéia e mostre curiosidade. Se o entrevistador perguntar o que você acha do rock da Islândia, procure qualquer referência na sua cabeça e revide “nossa, não conheço o rock da Islândia, a Bjork tem algo a ver com isso?”. Curiosidade pode valer mais do que conhecimento nessas horas.

Sei que nada sei 2
É mais do que pressuposto que o candidato tenha visitado o site da agência ou do local que almeja trabalhar. Conhecer os trabalhos do lugar também é bem interessante, além de serem cartas na manga para a eventual falta de assunto. Um terceiro detalhe que pode fazer diferença é ter certeza da pronúncia do nome da pessoa com quem vai falar. Às vezes é um nome gringo e você não é obrigado a saber como a mãe da pessoa idealizou a pronúncia. Ligue para o local e, despretensiosamente, pergunte para o atendente como se fala o nome do dito cujo.

Beijomeliga
Leve alguma coisa para deixar com o futuro chefe – pode ser desde o currículo impresso até uma cópia irada do seu portfolio estampada em um moleskine. A idéia é deixar algo físico que faça com que a pessoa se lembre de você.

Espero que minhas considerações sejam úteis para os futuros profissionais de mercado. E lembrem-se: são divagações da minha própria cabeça, de alguém que já entrevistou uma série de candidatos. Nada impede que outro contratante tenha critérios totalmente distintos e te contrate se você disser que seu sonho de vida é ser o Vampeta. Afinal, tem gente pra tudo nesse mundo.

One Comment

  1. Boas dicas Mawa!
    Vou repassar aos meus queridos alunos.
    Seu texto me fez lembrar (penso nisso sempre) que o Mohallem bem que podia atualizar o Manual do Estagiário!

    MM

Leave a Reply